segunda-feira, 6 de abril de 2015

Era uma vez..

E quem disse que eu tenho todas as respostas? Às vezes a gente só quer sentir que pode confiar em alguém, um colo, um porto... A vida ensina que o amor é poder encontrar conforto em alguém. A segurança de um café quentinho e um abraço apertado.
Não acredito em contos de fada, eu acredito na realidade que eu tenho. E ela é boa.

segunda-feira, 31 de março de 2014

Líllian.

O momento mais gostoso de voar, pra mim, é quando o avião, perto do seu destino faz uma curva acentuada que te permite ver de um angulo novo tudo o que espera lá embaixo;
Quando sobrevoei Belém pela primeira vez, o frio na barriga que senti não era só a virada brusca do avião, nem mesmo o verde lindo que pude avistar pela janelinha estreita. Eu sabia que algo muito maior me esperava do lado de fora. A cidade era linda, me deixou sem fôlego, adoraria ter ficado mais tempo olhando lá de cima se fosse em outra ocasião, mas eu só queria chegar logo e finalmente olhar pra ela...
Lilly chegou na minha vida de repente, eu não esperava nem procurava por ela, apenas entrou sem pedir licença e avisou que ia ficar... Eu sorri, o que mais poderia fazer? Foi encantadora desde o primeiro segundo, me deixou tonta e me intrigou também. Sagaz, me deixou a esperar, fez silêncio, me fez procurar... Eu queria saber mais, queria fazer perguntas, ou simplesmente estar junto, mas ela não estava em lugar algum... Esperei, esperei e esperei, e ela voltou, segurou na minha mão e nunca mais soltou. Chamei-a tempestade, e foi com a mesma beleza que ela soprou e virou meu mundo de ponta cabeça, de uma hora pra outra tudo ficou mais bonito.
Três anos se passaram e cada dia me apaixono novamente, como da primeira vez, com cada vez mais força. Em Belém, do outro lado do país, encontrei o meu caminho, de lá só trouxe coisas boas, de lá eu trouxe a minha felicidade e não devolvo nunca mais.
Quando aquele friozinho na barriga me invadiu, eu sabia que algo muito maior me esperava do lado de fora, mas jamais imaginei o quanto era doce a minha surpresa. Agradeço todos os dias pelo presente que a vida me deu
Minha Líllian ♥♥♥♥♥

domingo, 23 de junho de 2013

Dia de circo

Fecham-se as cortinas e o riso da multidão  que há pouco preenchia a lona ainda ecoa no picadeiro. Quem dera a alegria fosse de fato sua constante. As luzes se apagam, a plateia agora dorme tranquila; sozinha, mais uma vez, se prepara a bailarina: amanhã tem mais. Enxuga a solidão, o show não pode parar.

segunda-feira, 27 de maio de 2013

O dia de amanhã

Vivo repetindo nas minhas divagações a palavra TEMPO, e pode parecer cansativo quando uma coisa assim parece agir de maneira igual por aí, mas não pra mim. Os dias passam por mim em ritmos diferentes, e cada vez mais rápido anunciam que logo tudo vai parar. As coisas são diferentes porque posso ver o quanto do caminho ainda posso seguir, o quanto posso percorrer.
Ser diferente é o que todo mundo acha que é, e por mais que ninguém seja igual, ninguém sabe verdadeiramente o que é sentir-se dessa maneira, ver o fim antes mesmo que tudo tenha acabado. Demora pra acostumar com esse tipo de coisa, eu particularmente levei tempo demais; Valorizando o que não me dava retorno, esperando por coisas que jamais viriam, e por mais que eu soubesse, eu permanecia esperando, querendo acreditar.
Nunca acreditei na maldade dentro de ninguém, maldade pura e absoluta. Não vejo como isso pode ser possível, e portanto não acredito que ninguém seja inteiramente responsável pela dor do outro. Somos nós quem fazemos nossas escolhas, e sendo assim, definimos nosso caminho.
Eu levei muito tempo para aprender a pensar em mim, no que é bom pra mim, no que me faz bem de verdade. Eu não tenho mais todo esse tempo e desde que aprendi a lidar com isso eu procuro viver da maneira mais intensa possível.
Dentro de mim só restou espaço pra aquilo que realmente vai me arrancar o riso, a euforia, a vontade de viver e de continuar. Nada que possa me tornar pequena, me diminuir, me entristecer, nada mais tem o direito de ocupar nem uma linha da história que vou escrever. O que eu amo vai estar sempre em mim, quem eu amo vai permanecer sempre ao meu lado, me fazendo respirar cada vez mais forte, até que o ar deixe os meus pulmões de uma vez por todas. Eu finalmente sei o que é ter felicidade, e eu espero poder continuar cada vez mais viva, espero continuar essa história até o fim. Agora posso dizer quem eu sou, agora sei pra onde quero ir.

sábado, 6 de abril de 2013

As folhas de outono

O outono trouxe um ar frio consigo que eu não esperava. Quando tudo parecia andar na direção certa, um arrepio percorreu meu corpo e senti que algo estava por vir.
Do lado dela o medo não anda sozinho, vem com ele as vozes, os ímpetos, os gritos... vem com tudo isso uma força ainda maior pra conter o descontrole que quase consegue me vencer. Foram medos que me deixaram chorar tantas vezes e quando parecia que não passava de uma insegurança boba chegou a hora e tudo desmoronou.
Foi da noite pro dia, mas veio devagar, veio aos poucos, avisando que meu chão cairia, mas por mais que eu tentasse ouvir, e me descabelasse em desespero, eu não soube evitar o pior.. O passado é a pior marca de alguém, que por mais que tente fugir vai estar lá, e não há nada a ser feito, ele não morre, não se apaga.
Tenho sentido como um personagem de ficção que tenta seguir em frente e recomeçar mas que tem que passar a vida inteira desviando da sujeira que o passado traz de volta, como galhos trazidos pelo mar, não adianta nada recomeçar, pelo menos não na mesma vida.
Ela disse que as folhas de outono caem porque é chegada a hora... Não era a minha hora de ir, eu não estava pronta. Eu ainda não estou... O silencio que a falta dela faz é devastador, não posso aceitar que seja assim daqui pra frente...
Hoje ouvi o riso dela pela ultima vez, e ainda que não tenha sido pra mim, foi doce e bom como uma musica que não sai mais de dentro de nós... Sinto falta dos cabelos dela soltos caindo no rosto, da pele morena encostada na minha, sinto falta do cheiro, do gosto, da voz, da carinha linda de brava, da voz de criança e do carinho gostoso que trazia em cada palavra... Sinto falta do ultimo minuto que eu tive daquele amor, me abraçando, enquanto eu cheia de sono só sorria... Meus olhos viram mar ao lembrar de cada cuidado, do isotônico que ela trouxe porque me fazia bem, da carinha linda com que me chamou enquanto eu a esperava na igreja... tenho saudade do que deixamos de viver, do que ficou pra trás, dos nossos pequenos correndo pela casa, do ronrom do nosso gatinho, do carinho do nosso cachorro, que na verdade era um menino... To com saudade e os dias sem ela ainda nem começaram, não sei seguir em frente.. não sei por onde começar. Não era pra ter sido assim...

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Cirurgia Bariátrica - Semana 1



Amanhã completo uma semana de cirurgia e por enquanto tudo correu muito bem.

Cheguei ao hospital uma hora antes do previsto para iniciar a cirurgia, por volta das 17 horas. Logo fui encaminhada para o leito sempre com muita atenção de todos os lados; Como já havia percebido antes, o hospital de Caridade tem profissionais excelentes em todos os setores.
A cirurgia atrasou um pouco, Dr Eduardo estava operando outra paciente também naquele mesmo dia, que, coincidentemente ficou instalada no leito ao lado do meu, mas entrando no centro cirurgico em poucos minutos estava adormecida.Quando acordei ouvi o Dr. dizendo que a cirurgia foi um sucesso. =)Tive pouquíssimas dores já na primeira noite, só uma dorzinha do lado esquerdo que nos próximos dias desapareceu, foi tudo muito tranquilo.


   O dia seguinte inteiro foi de dieta zero, fiquei somente no soro, mas não senti nada de diferente, aguardei para fazer no segundo dia o teste do grampeamento. Ingeri 100 ml de um líquido azul cor de caneta bic e esperei alguns minutos para ver se o líquido apareceria no dreno que foi colocado durante a cirurgia. Não aparecendo nenhum resquício, a dieta líquida foi liberada e começava meu primeiro contato com a dieta que continuaria nos dias seguintes. A sensação de saciedade dos limitados 50ml é surpreendente, chegando a parecer muito em alguns momentos, achei graça.



Minha internação durou de terça à sexta-feira e durante esse período convivi com muitas pessoas diferentes, enfermeiras, fisioterapeuta, médico, vizinha de leito, acompanhantes, visitas e até um padre que veio dar a benção pela nossa recuperação. Cada uma dessas pessoas me surpreendeu e me cativou e eu agradeço a todas elas, em especial à equipe de enfermagem que esteve todo tempo pronta pra atender ao primeiro chamado e se em algum momento estiveram cansadas ou insatisfeitas não transpareceram nada além de sorrisos e atenção.



Vindo pra casa fui ao mercado comprar o necessário para cumprir a dieta e já andava normalmente pelos corredores, pude ajudar a preparar meus alimentos e me adaptei muito bem tanto à primeira quanto à segunda fase da alimentação. Quase não sinto que estou operada, exceto pelo corte que arde um pouco pra rir, tossir ou espirrar, mas que já está fechado e cicatrizando rápido. Estou bem contente; Esperava que seria tranquilo, mas tudo foi ainda mais fácil.




Recebi mensagens e ligações de muitos amigos queridos, visitas diárias de pai e mãe e preocupação e interesse constante da minha namoradinha cara de paçoca, que daqui a uns dias vem cuidar de mim :3
Só tenho a agradecer a Deus, ao Dr. Eduardo, amigos, família, Líllian, equipe do hospital e minha amiga Kátia, além das meninas queridas Greissi, Simone/Camila, Aliny, Fran e todas as outras com simpatia comparável às enfermeiras Joy.
Estou aguardando novas impressões do processo de recuperação mas por enquanto tudo permanece constante e tranquilo.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Cirurgia Bariátrica - Pré operatório.


A pouco mais de 12 horas da minha cirurgia bariátrica resolvi relatar a minha experiência, bastante particular, com todo o processo em questão.
Digo que é bastante particular porque percebo desde o início do processo várias diferenças entre o meu caso e o de vários outros relatos já lidos por aí (além da forte opinião dos médicos e do mundo).
Bom, primeiramente, diferente do que todo mundo acredita - contestam inclusive, incrédulos -, eu não me sinto desconfortável com meu corpo ao me olhar no espelho! Não. Gosto de ter curvas, de ter bunda, coxa, seios; De verdade, não me desagrado nem um pouco com o que vejo no meu reflexo, gosto, gosto que me olhem, gosto de ser olhada por ela, não tenho vergonha de ir à praia, de tomar banho de piscina entre amigos, de trocar de roupa entre minhas amigas (que são quase todas magras), estou satisfeita, e ponto final.
Então um dos médicos envolvidos no processo rebateu com enfase (e uma voz bem alterada, diga-se de passagem): "Se você não tem problemas com sua auto-estima, porque faria uma coisa dessas? Claro que tem!". Alegou que eu tenho depressão e que choro à toa, e quando foi confirmado o contrário, contentou-se com a questão "auto-estima"; Tenho sim problemas com minha auto-estima, ora, quem não tem? Detesto meu nariz de batatinha, não gosto de estrias, celulite, unhas quebradiças, pontas duplas, sair de casa sem maquiagem, quebrar o tornozelo e não poder usar salto alto e afins... Mas a questão é: Então, por quê?
Não importa o quanto eu goste de me ver nua diante do espelho, tudo muda quando o mundo não se prepara pra te receber dessa maneira e o seu corpo não suporta o peso que o seu contorno carrega.
Não é o bastante gostar do que vê. Com o passar do tempo os males do sobrepeso foram evoluindo, e nos últimos anos as faltas de ar, cansaço sem razão, dificuldade pra calçar as meias, amarrar os sapatos, afivelar as sandálias, dor nas costas, dificuldade pra dormir (ultimamente em algumas posições do sono a gordura do pescoço faz uma manobra impressionante pra me sufocar rs), sono demais, sedentarismo e milhares e milhares de outros fatores bastante desagradáveis que vão enchendo o saco ao longo dos dias, além disso você não encontra roupas do seu tamanho, ou do corte adequado pra valorizar sua silhueta, ou com o estilo necessário que você deseja (são os males da epidemia maligna do Prêt-à-porter), e pra mim que sou apaixonada por moda isso é quase tão importante quanto todo o resto; Visto que não se vê mais alta costura em qualquer esquina, não tenho muito pra onde correr.
Outra peculiaridade: Não é novidade pra ninguém que adoro chocolate e brigadeiro, mas daí a dizer que sou compulsiva por comida seria um exagero tremendo. Claro que pra alguém que leia o blog e não me conheça pode achar que falo da boca pra fora, mas de verdade, não sinto nenhum prazer especial comendo, não acalma nenhuma tristeza ou falta de outras coisas. Não deixo de conviver com amigos, não deixo de namorar, nem de ouvir música nem de fazer nada por ser gorda. Li em diversos blogs outras moças que fizeram a cirurgia e falam sobre descobrir nessas coisas os prazeres que procuravam na comida... GENTE! Chego a ter preguiça de comer rs Estou aqui podendo comer até as 6h pra iniciar o jejum e não tenho vontade de comer nada especial, nem mesmo vontade de comer, ou sensação de fome. Claro que isso também foi contestado pelos médicos, mas em alguns momentos a gente opta por não discutir... Todo mundo tem seus pecadinhos gulosos, pra alguns é o churrasquinho e a cerveja, pra outros os salgadinhos fritos (que eu não gosto nem de olhar :S ), para alguns é todo doce do mundo... Não importa pra que lado seja direcionado, é fato, todo mundo tem seu deslize, e eu tenho os meus, do mesmo jeito, com nada que se possa caracterizar como anormal ou exagerado.
Enfim... Poderia ficar aqui citando milhares de peculiaridades, mas isso não vem ao caso. Resolvi relatar como a maioria faz porque cada caso e cada pessoa reage de uma maneira a tudo que virá a partir de agora, quanto mais relatos distintos as pessoas que buscam mais informações tiverem, mais rico será o conhecimento adquirido nessas leituras, e mesmo se ninguém ler, quando tudo isso passar posso acompanhar todo o processo como alguém que vê de fora.
Comecei a dieta líquida há quase uma semana, achei super tranquilo, não senti fome em nenhum momento e sempre tive uma quedinha especial por sopa liquidificada, então por enquanto não tive problemas. Me sinto um pouco enjoada pela manhã alguns dias, não sei muito bem o porquê e nem se tem relação, amanhã quem sabe pergunto ao médico e ponho aqui a opinião dele.


Meu pré operatório foi cheio de burocracia, como suponho que seja o de todo mundo que não faz particular (planos de saúde em geral e sus). Relatórios, laudos, exames, consultas, psiquiatra, milhares de pessoas e profissionais bombardeando todas as informações possíveis em um limite de tempo que achei bem razoável.

Passei por três médicos, três profissionais competentes e experientes, mas acabei por fim escolhendo o Doutor Eduardo Miguel, que me impressionou pelo carinho e pelo cuidado.
 O curioso foi que após a primeira consulta com o Dr Miguel eu já saía do consultório com cirurgia pré agendada e a promessa de voltar em dois dias. Primeira consulta fui com a mãe, dois dias depois com o pai, ele explicou tudo para os dois para que ficassem tranquilos. Acredito que o Dr. valorize bastante o apoio da família nesse momento, e eu também, claro.

Minha Lilly esteve insegura desde o início, mas agora se aproximando o dia da cirurgia ela é quem me tranquiliza, e apesar de não ter certeza se é a coisa certa, procura sempre estar do meu lado e me dá apoio como sempre fez em todas as minhas decisões, quando se trata de cuidar para que eu fique bem, é a pessoa mais maravilhosa que poderia ter encontrado. Nesse ponto estou muito bem servida, namorada super, super, suuuper parceira, família unida e interessada e amigos me dando muita força, graças a Deus.
Entre todos os amigos que foram maravilhosos, destaque pra Kaká que já passou por tudo isso e ficou ali com a mãozinha estendida pra segurar a minha quando precisasse e me dando mil dicas sobre tudo.
De todo o processo, tirando o Dr. Eduardo, o profissional que mais me surpreendeu foi a Dra Maria Emília Fabre, nutricionista indicada pelo primeiro médico mas que ganhou minha confiança e permaneceu participando do processo até agora. A Dra. Maria Emília é o tipo de profissional séria, objetiva, prática, mas que consegue por um tom de carinho em cada orientação, faz a gente entender de verdade do que se trata, sem muita frescura (a maioria dos nutricionistas que passei ao longo da vida me pareciam complicados demais com suas milhares de explicações, números e tabelas).
Com certeza vou continuar todo o acompanhamento pós cirúrgico com ela, mesmo tendo trocado de médico.
Hoje foi o dia de conhecer o hospital, consultar com o anestesista e me informar sobre a internação, o jejum e afins. Vou operar no Hospital de Caridade, que sempre foi uma grande incógnita pra mim. Como diz a minha mãe, as salas, consultórios e departamentos parecem ter sido todos construídos sob as escadas, improvisados, reformados. A verdade é que o hospital visto de perto parece mesmo um conjunto de "puxadinhos" internos que por fora ficou até bonito. A pintura amarelo escândalo também dá um toque diferenciado rs, maaaaas, a questão é que foi MARAVILHOSO ter feito essa visita; Em todos os setores fui  muito, MUITO bem atendida, com atenção, com explicações claras, com paciência  cordialidade, boa vontade e bla bla bla bla... Além disso uma das mocinhas que fez o meu "check in" leu o pedido médico e comentou com alegria que o médico que escolhi é o que ela mais admira, justamente pelo olhar carinhoso que ele tem com os pacientes. Pontos positivos para o Hospital de Caridade! o/
A cirurgia será às 18h e diante do jejum necessário de 12 horas (incluindo água ;~~~~ ) resolvi me manter acordada o maior tempo possível durante a noite/madrugada e dormir agora pela manhã, claro que com sono e já tendo visto tudo que a televisão poderia me oferecer, sem a Lillizinha aqui pra me fazer companhia acabei por escrever uma postagem gigante e desconexa sobre a minha preparação pra cirurgia. Assim que puder espero postar atualizações sobre a recuperação inicial, sem esperar que alguém esteja acompanhando, claro rs. Portanto, por hoje é só. Bom dia pra quem acorda, boa noite pra mim =D


MusicPlaylistView Profile
Create a playlist at MixPod.com